Maxiverso

A sexualização das HQ’s

 

Olá nerds do meu coração! Como estão?  Hoje resolvi falar sobre algo que eu venho pensado a algum tempo: a sexualização das historias em quadrinhos. Não na forma em que estão sendo inserindo conteúdos +18 nas HQ’s atualmente, porque quem já leu Watchmen sabe que esse buraco é mais em baixo, e mais antigo também.

Digo, como estão sendo apresentadas as heroínas e os heróis atualmente nas graphic novels, com a recente polemica da capa de Mulher Aranha, na qual a heroína se apresenta com todo a sua “abundância”, pensamos, por que resolveram pegar logo no pé dela, sendo que outras heroínas se vestem de forma para valorizar as suas curvas?

A vigilante Poderosa é uma que destaca os seus atributos frontais sem nenhum problema a anos, enquanto a Princesa Diana desfilou por ai durante um tempo somente de maiô e um laço mágico. E – no meu ponto de vista – essa sexualização não é somente feminina, claro que os super-heróis usam uma quantidade extremamente maior de roupas, mas quando eu penso em Super Man, Capitão America, Flash, única coisa que vem a minha cabeça é “tanquinho” e uma incrível fixação por cucas volumosas.

A questão é, quando o uniforme e os atributos físicos – de maneira superficial – passaram a chamar mais atenção do que os grandes feitos heroicos nos quadrinhos? O que vocês acham dessa fase que estamos passando? Comente abaixo e deixa sua opinião!

Imagem: Marvel Comics

Avaliação
The following two tabs change content below.
AvatarMiguel-144x144 A sexualização das HQ's

Miguel Guedes

Mestre do Pokemon certificado em 5 regiões, líder do Conselho Jedi, Publicitário e percursionista de mesa nas horas vagas.
AvatarMiguel-144x144 A sexualização das HQ's

Latest posts by Miguel Guedes (see all)

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top