Maxiverso
CINEMACríticasCrítica: A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)
a-garota-dinamarquesa destaque

Crítica: A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)

a-garota-dinamarquesa-cartaz Crítica: A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)

Direção: Tom Hooper

Elenco: Eddie Redmayne, Alicia Vikander, Amber Heard, Ben Wishaw, Sebastian Koch e Matthias Schoenaerts

Aprisionado num frágil corpo, mas ainda assim masculino, o bem sucedido pintor Einar Wegener (Redmayne) nunca sentiu problemas aparentes com sua vida sexual. Assim, casado com a também pintora Gerda (Vikander), Einar jamais imaginou em se assumir como mulher e se tornar um símbolo de pioneirismo em plena Copenhague dos anos 20. Até que inesperadamente sua feminilidade aflora ao ponto de jamais ter dúvida de sua sexualidade e decidir pela arriscada cirurgia para mudança de gênero.

Numa época em que o homossexualidade era tido como uma doença (infelizmente algumas pessoas defendem isso até hoje), a cirurgia de adequação do genital era vista como uma aberração ainda maior, digna de tratamento para esquizofrenia.  A história por si é uma grande atrativo, ainda mais contando com a atuação de Redmayne, com um bom design de produção e uma fotografia por vezes muito bem trabalhada.

A construção do ator é bem feita e Redmayne entrega um trabalho competente, mesmo que novamente, tal como ocorreu em A Teoria de Tudo, necessite do suporte da direção de artes e figurino. O gestual do ator é elogiável e vemos a delicadeza de seus movimentos, quando em contato com um vestido – dado pela esposa – representando o primeiro contato com sua feminilidade. Ou numa linda cena, que se passa num clube de strip-tease, quando vislumbramos sua verdadeira face assumida no corpo de outra mulher através do reflexo do vidro.

Completado com seu olhar de uma pessoa desprotegida ao assumir-se como Lili, ele jamais deixa de convencer como mulher (ou alguém que deseja se tornar uma) e a química com Alicia Vikander funciona. Assim como no mais complexo relacionamento do filme, quando conhecemos o personagem de Ben Shaw. Ficamos cientes, independente da situação, que os sentimentos dele por Einar atravessam qualquer barreira de opção sexual, mantendo-se respeitoso até o fim.

Mesmo que no roteiro de Lucinda Coxon, baseado no romance de David Ebershoff, Gerda praticamente force a transformação de Einar, apenas para gerar sua óbvia surpresa, é delicado vermos os pequenos detalhes que ratificam o afastamento entre eles. Como, ao ser beijado por Gerda, Lili delicadamente leva um lenço à boca como se rejeitasse educadamente a ultima lembrança do relacionamento.

Entretanto, estamos falando de um filme de Tom Hooper, o mesmo dos premiados Os Miseráveis e O Discurso do Rei. Assim, com poucos minutos de projeção, o diretor já disse ao que veio: seus tradicionais e inexplicáveis posicionamentos de câmera demostram não somente a persistência errônea, características de seus filmes, como parece ter um sadismo incontrolável para sabotar suas virtudes, comprometendo A Garota Dinamarquesa.

Mesmo possuindo uma bela fotografia, por inúmeras vezes Hooper, como lhe é peculiar, abusa dos planos curtos e closes, desperdiçando o trabalho fotográfico. Como, por exemplo, na cena que se passada numa galeria em Paris, o diretor abusa de planos baixos e angulares que, além de não passar de maneira clara nenhum ponto de vista, prejudica o belo trabalho do design de produção e os belos afrescos do local.

É inegável que o diretor tem suas qualidades, pois a fotografia onde predomina o formalismo da cor azul é completada com belas imagens que relembram, por vezes, pinturas em movimento, como na linda cena em que o protagonista, diante do espelho, se desnuda ao descobrir o prazer oculto. Mas, como dito anteriormente, Tom Hooper parece ter uma vontade enorme de prejudicar sua narrativa como quisesse provar alguma coisa para o público.

Mantendo boa parte do filme tratando da construção da personalidade de Einar em Lilia, a montagem acaba comprometendo a estrutura, no terceiro ato do filme, devido ao seu clímax. Assim, a direção acaba correndo a ponto de quase suprimir um dos principais fatos: a operação de troca de sexo e as consequências (tanto que ao mostrar Lili em sua nova vida e ocupação, a cena acaba ficando deslocada e descartável).

Ao tratar Gerda com uma mulher forte e que sempre se prontificou a apoiar Lili, a direção erra ao querer desnecessariamente criar um contraste comportamental com o marido. Por vezes Gerda tenta soar masculinizada, como se esta inversão de papeis ajudasse a contrastar com Lili, mesmo que a personagem na vida real pudesse ter sido homossexual, isso não é regra que prejudique a feminilidade.

Quando tenta fugir de seus planos característicos, o diretor movimenta a câmera para frente e para trás como se tentasse empregar um dinamismo. As rimas e simbolismo da direção, apesar de visualmente bonitas, soam demasiadamente forçadas. Como, por exemplo, o fato de determinada cena haver um sangramento simbolizando a perda da inocência de Lili. Mas em outra Gerda e Lili dormem separadas, inutilmente, apenas por um pano, como se aquilo fosse necessário para representar o distanciamento que já ficou claro ao longo da história.

Nos seus minutos finais, confirma-se toda a incapacidade do diretor em confiar no público sem ser clichê e maniqueísta. Impossível não se incomodar com determinada cena em que, em vez de Hopper apostar na sensibilidade e na composição estética da cena, martela na cabeça do espectador: Esta cena simboliza isso, repararam? Hein? Viram?.

A Garota Dinamarquesa ganha pelo seu conteúdo, importância e aspecto humano mesmo aquém da profundidade e discussão que poderia levantar. Conclusão está mais baseada na forma com que foi tratado pelos seus realizadores do que propriamente a causa em questão.

Cotação 3/5

a-garota-dinamarquesa-final Crítica: A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: A Garota Dinamarquesa (The Danish Girl)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu ainda jovem certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini , Antonioni , Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top