Maxiverso
demolidor

Especial Demolidor: HQs fundamentais

Se você não vive debaixo de uma pedra tentando se conectar pelo discador da IG, já deve saber que a nova temporada do Demolidor estreia no Netflix no dia 18 de março. O serviço de streaming disponibilizará os 13 episódios da série de uma só vez e, como dia 18 cai numa sexta-feira, pode preparar o pacote de Doritos, o cobertor e o copão de Coca-Cola, porque você provavelmente vai passar o final de semana inteiro numa maratona interminável.

Meu contato com o herói se deu anos antes da série ser lançada, na época em que Ben Affleck, o novo Batman, falhava miseravelmente com seu Matt Murdock de Ray-Ban® vermelho. Algo nesse personagem me cativou e, apesar do filme não ter sido lá aquelas coisas, fui atrás de alguns quadrinhos para conhecê-lo melhor e, adivinhem? Até hoje sou leitor assíduo do Demolidor.

Logo, se você também demonstra interesse em conhecer melhor o herói e não sabe por onde começar, seus problemas acabaram! Tá na hora de conhecer as obras fundamentais do Demolidor. É a primeira parte de um especial que o Maxiverso traz para você, em comemoração a nova temporada da série no Netflix. Acompanhe com a gente!

Histórico:

demolidor1 Especial Demolidor: HQs fundamentaisA primeira aparição do Daredevil (nome original do personagem) se deu no quadrinho homônimo lançado em abril de 1964. Criado por um esforço conjunto de Stan Lee, Bill Everett e Jack Kirby, a premissa do Demolidor resumia-se num herói que encontrava forças em sua principal fraqueza: a cegueira. Afetado por um material radiativo ao salvar um idoso de um atropelamento, o jovem Matt Murdock perde a visão, mas tem os outros sentidos exponencialmente aguçados. Graças ao apoio do pai, o boxeador Jack Murdock, Matt aprende a conviver com sua deficiência. Entretanto, após se envolver com gangsters e se recusar a perder uma luta de propósito para manipular apostas, Jack é assassinado. Sozinho, Matt deve superar não apenas as sombras em seus olhos, mas também a escuridão em sua vida.

Damos um salto no tempo e conhecemos Matt Murdock já adulto. Charmoso, confiante e bem humorado, o rapaz em nada lembra a criança insegura que ficou órfã precocemente. Trabalha como advogado, colocando criminosos atrás das grades dentro da lei. Quando o Sol se põe, porém, Matt captura criminosos e aplica neles sua própria lei… Durante a noite, Murdock é o Demolidor.

Com boa recepção da crítica e vendas consideráveis, o início do Demolidor pode ser considerado como um acerto por parte da Marvel Comics. Notamos algumas diferenças gritantes com o personagem que conhecemos, a começar pelo uniforme, que por muitos anos foi um misto de vermelho-sangue e amarelo-gema.

Uma década depois do lançamento, o herói entrou em declínio. Com histórias mal produzidas (Gerry Conway, por exemplo, transformou Demolidor numa história de ficção científica, com um robô que vem do futuro para mudar seu presente), o quadrinho tomou um rumo estranho. Parecia que não sabiam mais o que fazer com Demolidor. Ideias para revitalizar a série foram colocadas em prática, como a adição de outros personagens à história, como o Homem-Aranha, a Viúva Negra e até mesmo o Homem de Ferro (que, na época, também não estava muito bem das pernas), mas não foram suficientes para renovar o publico. Nos anos 80, Demolidor quase foi cancelado pela Marvel.

O herói só se encontrou quando Frank Miller assumiu a bronca. Ignorando toda a continuidade dos antigos roteiristas e adicionando um tom mais adulto e sombrio ao quadrinho, Miller conseguiu tornar Demolidor relevante outra vez. Hell’s Kitchen, a região de Nova York onde a história se passa, torna-se um personagem próprio do quadrinho, com toda a violência e injustiça que assola os moradores. É como se cada esquina do lugar tivesse uma boa história a ser explorada, e é muito interessante ver um personagem que utiliza a força como último recurso tendo que lidar com pessoas marginalizadas pela violência.

Época de ouro:

A fase de Frank Miller é indispensável para qualquer pessoa interessada na história do Demolidor. Com um protagonista extremamente humano, coadjuvantes e inimigos complexos e dúbios, temos em Demolidor toda a fragilidade e ação necessárias para nos identificar com a história e, ainda, nos divertir com o realismo fantástico que apenas um ser herói bem construído pode proporcionar.

É muito interessante ver o lado mais comum de Matt se refletindo em Foggy Nelson, seu melhor amigo e companheiro de trabalho na empresa de advocacia. Temos também a dualidade de Elektra, assassina mercenária e considerada o grande amor de Murdock, bem como uma de suas principais rivais. Não tem como não falar do Rei do Crime, responsável por toda a criminalidade de Hell’s Kitcken, e o Mercenário, arqui-inimigo do Demolidor.

Como disse anteriormente, Matt Murdock tornou-se um homem charmoso e, consequentemente, mulherengo. Acredito que o Demolidor é o herói com mais interesses amorosos da história dos quadrinhos, literalmente “pegando sem ver” – ba dum tss. Além de Elektra e Karen Paige, primeira namoradinha de Matt a aparecer nos quadrinhos, temos Mary Tyfoid, Felicia Hardy, Maya Lopez, Kirsten McDuffie, Milla Donovan (com quem Matt foi casado), Glorianna O’Brien, Heather Glenn e a Viúva Negra. Pois é, além de grande, a lista só tem mulher bonita.

homemsemmedo Especial Demolidor: HQs fundamentaisNa fase em que Frank Miller assume a revista do Demolidor, o grande destaque dentro dessa imensa lista de affairs com certeza é Elektra. Contratada pelo Rei do Crime para assumir o posto que pertencia ao Mercenário, ela enfrenta Matt e logo o reconhece. Através de flashbacks, é contada a origem do Demolidor, que foi totalmente reformulada pelo próprio Frank Miller. Ainda criança, Matt é resgatado por um misterioso homem chamado Stick e, graças a um treinamento intenso que dura praticamente toda sua juventude, aprende aquilo que usa em prática nos momentos em que assume a identidade de Demolidor. Elektra surge em sua vida durante o período da faculdade, quase ao mesmo tempo que Foggy Nelson.

Logo, ler o Demolidor de Frank Miller é importante para compreender as origens do herói e vê-lo envolvido em histórias mais maduras, próximas de nossa realidade. Dentre tantas obras roteirizadas por mestre Miller, destacamos aqui a minissérie de 93 “O Homem sem Medo”, desenvolvida em parceria com o artista John Romita Jr.

Esgotada no Brasil, a obra pode ser encontrada em sebos ou em inglês, em lojas especializadas de comic books. Caso queira ter acesso a outras obras de Frank Miller, vale a pena adquirir o compilado em duas partes lançado em 2014 e 2015 pela Panini.

Outras obras fundamentais:

Partindo do princípio de que você já está familiarizado com a história do Demolidor e suas origens, recomendo o clássico “Queda de Murdock”, roteirizado por Frank Miller e desenhado por David Muzzacchelli. Lançada em 86, a HQ parte da traição da ex-namorada de Matt: Karen Paige, agora uma atriz pornô dependente química, que vende a identidade do Demolidor para o Rei do Crime em troca de droga. A partir daí, o verdadeiro inferno começa na vida de Matt Murdock, que deve esquecer a segurança que a máscara de herói traz para enfrentar um de seus principais inimigos publicamente.

Essa história levanta várias questões interessantes. O título “queda” não se remete apenas ao protagonista, mas a todos os personagens que o rodeiam. O que dizer da própria Karen, antes uma garota gentil e correta, sendo corrompida pela sujeira de Hell’s Kitchen? Para quem assistiu a série, fica bem difícil imaginar uma mudança dessas, não é? Bem, é justamente por causa da série que não entrarei em detalhes sobre o enredo dessa história em específico, mas ela deve estar na lista de qualquer pessoa que quer ler boas histórias do Demolidor.

Atualmente, a HQ Queda de Murdock pode ser encontrada no Brasil dentro da coleção que está sendo publicada pela editora Salvat.

diabodaguarda Especial Demolidor: HQs fundamentaisAliás, falando em Salvat, outro título que está sendo publicado pela editora e vale a pena ser adquirido é o “Diabo da Guarda”, da dupla dinâmica Kevin Smith e Joe Quesada. Lançadas originalmente entre 98 e 99, as oito edições contam uma história no mínimo… peculiar. O Demolidor salva uma garota de quinze anos que carrega nos braços o filho recém-nascido. Após mostrar que sabe que o Demolidor é Matt Murdock graças aos “anjos que lhe contaram”, a garota desaparece e deixa a criança sob a tutela de Matt. Mais tarde, um misterioso homem chamado Nicholas Macabres aparece e conta que aquele bebê é o Anticristo e deve ser eliminado imediatamente. Matt de início duvida, mas coisas estranhas começam a acontecer com pessoas que ele ama, sendo uma delas a própria Karen Page, e Nicholas atribui a culpa delas ao bebê.

Em alguns momentos, Matt decide matar o bebê, enquanto em outros vê-se em dúvida. A participação da Viúva Negra na história é bem interessante, assim como a aparição do Doutor Estranho (que logo terá sua adaptação para o cinema). Sei que é estranho dar destaque a uma história cujo enredo é tão fantasioso sendo que alguns parágrafos acima elogiei a realidade que Frank Miller atribuiu ao Demolidor, mas a história criada por Kevin Smith possui uma qualidade inquestionável. É a prova de que até mesmo esse tipo de história pode combinar com o Demolidor, quando bem construída.

Por fim, outro roteirista que soube aproveitar todo o potencial do Demolidor foi Brian Michael Bendis, que fez um trabalho magnífico com os quadrinhos dos X-Men, Novos Vingadores e Alias, o quadrinho que serviu de base para a primeira temporada da série Jessica Jones, também do Netflix.

Além da colaboração com Alex Maleev no quadrinho “Demolidor – The Man Without Fear”, lançada no começo dos anos 2000, temos o universo alternativo de “End of Days”. Na primeira obra, o ponto de partida é a morte do Rei do Crime e as consequências disso, já que diversos mafiosos tentam tomar o lugar do finado William Fisk como líder de toda a criminalidade de Hell’s Kitchen. A violência e a contínua desgraça na vida de Matt assemelham-se a Queda de Murdock, de Frank Miller – ou seja, o inferno retorna para a vida do nosso herói.

fimdosdias Especial Demolidor: HQs fundamentaisJá em End of Days, publicado no Brasil em duas edições pela Panini como Fim dos Dias, a história inicia-se também com a morte de um personagem importante… o próprio Matt Murdock! Depois de uma derradeira batalha contra seu principal inimigo Mercenário, o Demolidor acaba morrendo mas, antes de dar seu último suspiro, pronuncia uma palavra estranha: Mapone. A partir daí, a história é conduzida pelo ponto de vista de Ben Ulrich, jornalista que ora colaborava com Matt, ora era uma pedra em seu sapato, que tenta descobrir a todo custo o que Mapone significa. Para isso, ele visita todas as pessoas que um dia se envolveram com Matt – inclusive suas inúmeras ex-namoradas.

É importante frisar que os acontecimentos de End of Days não impactam a continuidade da história do Demolidor, ou seja, a morte de Matt Murdock afeta apenas o universo desse quadrinho em específico. Entretanto, apesar de ser uma trama a parte, é muito interessante ver Hell’s Kitchen sem o Demolidor e, principalmente, como os outros personagens são afetados por sua morte. End of Days tem a colaboração de David Mack no roteiro e o desenho de Klaus Janson, Bill Sienkiewicz e Alex Maleev.

Admito que, das histórias mais atuais do Demolidor, End of Days foi uma das melhores que tive a oportunidade de ler. Pra quem deseja algo mais contemporâneo do herói… corra até a banca mais próxima da sua casa! A Panini logo vai esgotar essa edição de Fim dos Dias e sabe-se lá quando ela deve voltar.

Bem, é óbvio que existem outras histórias que devem ser lidas por qualquer fã de quadrinhos ou do próprio Demolidor, mas o espaço não me permite citar todas. Se você já leu alguma dessas obras que listei aqui ou se conhece outra que não foi mencionada, conta pra gente aí nos comentários!

Avaliação
The following two tabs change content below.
MarcusColz-144x144 Especial Demolidor: HQs fundamentais

Marcus Colz

Livreiro, gamer, aficcionado por filmes, séries e música, não necessariamente nessa ordem. Fã de black metal que simpatiza com a Katy Perry. Come junk food mais do que deveria e não suporta alho, apesar de não ser um vampiro. Na busca de seu próprio universo, se encontra no Maxiverso.

4 comments

  • Jofre Poe:

    Ótimo texto! Nunca fui de ler Demolidor mas depois desse verdadeiro guia deu até vontade… recomenda que eu comece por onde?

    • Marcus Colz
      Marcus Colz:

      E aí Jofre, tudo bem?

      Muito obrigado pelo elogio! São comentários como o seu que instigam a gente a sempre se superar e caprichar nos artigos.

      Como você nunca teve contato com o Demolidor, recomendo que procure pelo “Homem Sem Medo”, de Frank Miller. Já está esgotado, mas você consegue ainda em inglês.

      Caso contrário, procure pelo encadernado que a Panini está lançando, com toda a fase Frank Miller + Klaus Jansen. Tem bastante foco na Elektra, nos inimigos do Tentáculo e na realidade crua e violenta de Nova York.

      Abraço!

  • Saulo Soares:

    Parabens pelo artigo. Sou fã do Daredevil desde pequeno e adorei a materia. Muita nostalgia. Adoro a fase dele imediatamente pos Kevin Smith, mas nao lembro o roteirista… sabe quem era?

    • Marcus Colz
      Marcus Colz:

      Opa, muito obrigado pelo elogio, Saulo! Acredito que a fase pós Kevin Smith é do David Mack!

      Abraços!

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top