Maxiverso
AnálisesGeralNERD + GEEKSÉRIESWalking Dead está virando o “novo Lost”
WalkingDead

Walking Dead está virando o “novo Lost”

Logo após o season finale de ontem, a Internet entrou em polvorosa com o cliffhanger da AMC, que deixou em aberto a identidade da vítima de Negan. Imediatamente as redes sociais ecoaram a cisão da audiência, entre os que gostaram do final, e os que não gostaram, o que é natural, afinal, ninguém é obrigado a concordar com as escolhas dos produtores.

A maioria das críticas ao final foram dirigidas nesse sentido, de que TWD não é uma série que precisa desses recursos de “seriado de baixa audiência” para segurar seus espectadores na próxima temporada, ou seja, não havia motivo nenhum para se esconder a identidade da vítima, e isso teria “estragado o final” da temporada. “A AMC não precisa fazer isso para segurar a audiência da série”.

Aqui, The Walking Dead está lembrando muito Lost, que depois de ter virado febre mundial, passou a sofrer de algo parecido, graças a quem assistia os episódios apenas esperando alguma cena de ação e, depois, a quem assistia apenas pelo “final”.

Era comum, na época, ver os fóruns de Lost atulhados de reclamações sobre o episódio anterior, porque ele supostamente “foi perda de tempo, não explicou nada” ou “foi muito parado”, o que, traduzindo, significava que não teve um tiroteio ou alguma revelação sobre um dos mistérios da trama. Nas duas últimas temporadas, o que mais se via era “mais um episódio que não valeu nada, só continuo assistindo por causa do final”.

O que aquelas pessoas não entendiam é que Lost – como toda série – não existia em função de seu final, ainda que os mistérios fossem a tônica da trama. Lost – como toda série – valeu pela jornada, pela história, pelos personagens que nos cativaram e evoluíram/mudaram ao longo dos anos, com suas experiências e suas inter-relações. Os episódios “que não valeram nada” ou “foram perda de tempo” eram justamente os mais introspectivos e que mostravam as reflexões e nuances desses personagens, ajudavam a entender mais o que se passava, e nos faziam gostar da série que revolucionou o gênero.

Pois atualmente, Walking Dead sofre do mesmo mal: a cada episódio sem mortes, tiroteios e cenas de ação explosivas, pipocam reclamações de que “o episódio não valeu nada” e “foi perda de tempo”. Ontem, após a cena final, muita gente reclamou que ela foi “longa demais” e “Negan ficou falando demais”, além, claro, das críticas ao gancho deixado para a próxima temporada.

É evidente que TWD, assim como qualquer série ou filme, está sujeita a problemas e erros de roteiro. Aliás, uma série como essa – com a maior audiência da TV na atualidade – acaba refém justamente disso, tendo que se transformar ao longo do tempo para agradar seu público, e daí surgem incoerências de roteiro que mostram personagens que acabam mudando seu comportamento de forma pouco crível. Isso é normal e ninguém precisa gostar ou concordar.

Mas a cena com Negan foi tecnicamente muito bem montada, sendo ela o ápice da tensão crescente mostrada ao longo do episódio. O discurso de Negan está lá para conhecermos o personagem, sua personalidade, a maneira como pensa e vê o mundo, e como se porta diante da situação. O discurso nos mostra “quem” ele é e “o que” ele é, já que está sendo apresentado agora (lembre-se de que o argumento tem que se basear apenas na série, ignorando a ciência de alguém em relação aos quadrinhos).

Quanto ao cliffhanger, vale comentar que Walking Dead não precisa dele para “segurar sua audiência”. Ninguém deixaria de ver a série se a vítima de Negan fosse mostrada, e ninguém vai deixar de ver porque ela não foi mostrada. O gancho não foi usado para segurar audiência, foi usado para gerar repercussão (principalmente nas redes sociais) e para dar tempo dos produtores “escolherem” quem foi a vítima, justamente conforme essa repercussão.

Avaliação
The following two tabs change content below.
AvatarRalph-144x144 Walking Dead está virando o "novo Lost"

Ralph Luiz Solera

Escritor e quadrinhista, pai de uma linda padawan, aprecia tanto Marvel quanto DC, tanto Star Wars quanto Star Trek, tanto o Coyote quanto o Papaléguas. Tem fé na escrita, pois a considera a maior invenção do Homem... depois do hot roll e do Van Halen, claro.

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top