Maxiverso

Crítica: 1917

Direção: Sam Mendes

Elenco: George MacKay, Dean-Charles Chapman, Billy Postlethwaite, Mark Strong, Colin Firth, Daniel Mays, Claire Duburcq, Andrew Scott e Benedict Cumberbatch 

Nota 3/5

Em determinado momento deste 1917, dirigido por Sam Mendes e favorito ao Oscar 2020, fiquei tão envolvido com sua narrativa ao apresentar a ação como se fosse um longo plano sequência (e tentando identificar onde há os quase imperceptíveis cortes) que fatalmente coloquei o filme em um patamar ao lado, por exemplo, de O Resgate do Soldado Ryan e jamais diria que o filme não tenha qualidades estéticas para tal. Contudo, com o tempo, apesar de manter todas suas qualidades, era visível que a direção foi levada a se preocupar muito mais com a forma do que propriamente com o conteúdo – o que não chega a ser exatamente um problema por estarmos falando de um diretor de fotografia como Roger Deakins! Mas como o objetivo de uma crítica é mensurar tais características, não posso, infelizmente, apenas criar uma opinião sem apontar tais elementos.

Baseado nos relatos do avô do diretor, o roteiro aborda dois jovens soldados britânicos, Blake (Chapman) e Schofield (MacKay), incumbidos de entregar uma mensagem no interior da França – ocupada pelo alemães – e que impediria que 1.600 combatentes aliados (um deles o irmão mais velho de Blake) fossem vítimas de uma armadilha do inimigo. Assim, no meio do caminho, os jovens passarão por provações e conflitos diante dos horrores de uma guerra de escala jamais antes vista através, dentre outras coisas, da visão dos corpos de soldados mortos que talvez nunca sejam lembrados!

Mas neste momento, 1917 apresenta alguns problemas, mais precisamente em sua estrutura que, apenas do filme ter a intenção de soar como uma grande sequência, é visível que o longa tem alguns momentos de alívio parecendo mais uma mudança de lógica narrativa para começar um nova fase (entrando em conflito com a ideia do plano sequência inicial) sempre com a participação de um ator famoso (Colin Firth, Mark Strong e Benedict Cumberbatch) como se estes fossem “chefes de fase”. Inclusive, isso acaba tirando também um pouco da impessoalidade do filme, uma vez que os melhores momentos da obra, ao se mencionar exatamente o aspecto humano, ocorrem quando os dois soldados encontram-se sozinhos em suas caminhadas; o que acarreta, por assim dizer, uma certa sensação inócua durante o filme, como se Mendes tentasse criar um visão intimista e falhasse no contexto geral da guerra em si, por mais que a história seja uma jornada pessoal.

O que nos traze ao aspecto principal da narrativa: a fotografia de Deakins e como tal elemento é fundamental para apreciar a obra. Fora algumas interpretações que comentarei adiante, jamais me atreveria a desqualificar este como um trabalho menos inspirado do diretor de fotografia que é – com todos os méritos – um dos melhores de todos os tempos. Trazendo rimas visuais a todo momento (como o primeiro e último plano do filme), 1917 coloca Blake e Schofield constantemente em enquadramentos através de corredores, seja nas trincheiras tristemente nomeadas de “viela do paraíso” ou arames farpados, para buscar um respiro em planos mais abertos. Elogiável, inclusive, que a obra consiga impor um clima de tensão nos primeiros atos por não trazer inicialmente um inimigo visível, mas que poderia ainda estar a espreita a qualquer momento; além do mais, contando com um mise-en-scène que salta aos olhos, onde os atores e os movimentos de câmera formam um belo baile em conjunto, como visto no clímax em que Schofield adentra o campo de batalha. E mesmo que por momentos tudo soe um pouco esquemático, como no momento em que Schofield tem seu estado emocional simbolizado quando fica em sentido contrário aos outros soldados e somente quando se volta para a mesma direção eles concluem a tarefa de desatolar um caminhão, a obra ainda assim tem sua virtuosidade engrandecida pelo belo design de produção no aspecto das trincheiras e construções destruídas durante a jornada dos soldados.

O que nos leva ao ponto crucial da obra, quando há uma espécie de quebra na lógica narrativa; se durante um momento em que um personagem é atingido há uma espécie de “intervalo” no tempo fílmico, tal momento pode ser interpretado de duas maneiras. A primeira, como disse antes, como se ocorre uma quebra da narrativa (fato), mas – e essa é a segunda maneira de ver isso – acabo por entender também como uma breve passagem por um inferno onírico do ponto de vista de Schofield, com todos os seus conflitos e perdas vindo à tona ao encontrar uma sobrevivente, idealizando um momento, uma vida que provavelmente não terá, em momentos moldados por belíssimos planos, como aquele da cidade em chamas e um jogo de sombras projetada entre os destroços durante uma fuga de soldados inimigos.

Se chegamos ao final deste 1917 sem realmente termos a sensação de imersão completa naquele recorte histórico da humanidade, onde a direção não disfarça em assumir sua veia quase melodramática que tanto agrada a academia, é inegável que seu apuro técnico se destaca sobre esses outros aspectos. Mas até quando isso soaria gratuito? Difícil dizer, mas que há um leve pêndulo para o lado do espetáculo, isso há! Tanto que em um determinado momento em que há uma queda de um avião, me pareceu que Mendes estava dizendo: “Olha só essa sequência como é bem feita, poderia até usar um 3D aqui” (os planos de Mendes na maioria das vezes tem o campo de profundidade longo, o que é crucial para o uso dessa tecnologia).

1917 é belo e por momentos envolvente durante boa parte do tempo, mas como os tiros ricocheteiam nas paredes sem atingir seu protagonista de maneira inconceptível acaba causando um sensação de urgência apenas momentânea.

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: 1917

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, ainda jovem, certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: 1917

Latest posts by Rodrigo Rodrigues (see all)

4 comments

  • Ricardo Melo
    Ricardo Alves de Melo:

    Rodrigo, você pegou duas coisas que eu também notei, e vi quase nenhum crítico falou, a semelhança com Resgate dp Soldado Ryan do Spielberg, aqui como Produtor não associado. E outra coisa foi a presença dos atores famosos, fazendo ponta, como se fosse o início e fim de uma época, se preparando para a próxima.

    Também notei algo legal, o filme começa no céu, com a câmera baixando pra o campo, e mostrando logo depois o soldado, e o fim é o inverso.

  • Avatar
    Carlos Vella:

    Adriana nao é por defeito é analisar ue o critico analisa, se tem algo ruim ele fala, e nem é o caso ele elogiou o filme e colocou como favorito ao Oscar ainda

    • Rodrigo Rodrigues
      Rodrigo Rodrigues:

      Carlos ,
      Bem vindo
      Obrigado pelo comentário. Não responderia melhor!
      Abraço

  • Avatar
    Adriana:

    vcs tb poe defeito em tudo achei o filme maravilhoso vai levar o Oscar

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top