Maxiverso

Crítica: Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)

invocacao_mal_Cartaz Crítica: Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)

Direção : James Wan

Elenco: Vera Farmiga , Patrick Wilson, Madison Wolfe, Frances O’Connor, Simon McBurney e Maria Doyle Kennedy

Com a extenuação dos filmes de terror nos últimos anos fica cada vez mais difícil encontrar uma obra que se sobressaia que não seja pela repercussão do boca a boca nas redes sociais e por ser tema de pegadinhas no programa do Silvio Santos. Porém, mais preocupado em equilibrar o quesito técnico sem apelar constantemente para o terror explícito, esta continuação do filme de 2013 entrega aquilo que os espectadores desejam.

A Jovem Janet (Wolfe) vive com dificuldades com sua mãe e seus outros três irmãos numa velha casa no subúrbio de Londres, mas após uma série de eventos sobrenaturais, o famoso casal Ed (Patrick) e Lorraine Warren (Farmiga) é convocado para analisar se as aparições são verdadeiras ou apenas imaginação infantil, ao mesmo tempo em que Lorraine tem sua fé confrontada pelo próprio demônio em forma de freira. O casal protagonista vivido por Vera Farmiga e Patrick Wilson é um ponto forte que emana credibilidade à obra, que caso fosse entregue a qualquer casal adolescente com certeza seria prejudicial. E com a ajuda da jovem atriz Madison Wolfe como Janet, o filme tem na medida do possível uma base identificável diante do público.

O roteiro do próprio diretor, em conjunto com Chad e Carey Hayes, não é um primor de coerência e sendo o espectador um pouco mais exigente terá problema em se convencer entre um susto e outro. Em certo momento deixamos um pouco de lado (devemos?) o exercício lógico e o bom senso, como por exemplo no fato de Ed Warren pintar um quadro de imenso mau gosto e ainda expô-lo na sala apenas para servir para um previsível susto. Ou pelo fato que, seguidamente, mesmo com os fatos comprovados, haja a necessidade de criar uma dúvida do que realmente aconteceu mesmo sendo o casal experiente no assunto. Confesso, porém, que apesar disso, seria certo preciosismo ignorar que a funcionalidade do filme é alcançada durante vários momentos sem que o desenrolar da história se torne cansativo até o susto seguinte, principalmente ajudado pelo núcleo de atores e, como mencionado anteriormente, pela atenção à parte técnica dada pela direção.

Uma destas preocupações é o fato do diretor James Wan frequentemente tentar tirar o máximo possível com a câmera com planos curtos, plongée e planos sequência ou longos, como vista numa cena envolvendo Janet, quando a câmera deixa em primeiro plano o personagem de Patrick, enquanto ao fundo vamos acompanhando de maneira desfocada a transformação da menina no decorrer da gravação de uma possível possessão. Ou logo na cena inicial em que a câmera sai de um ambiente externo e percorre internamente uma casa para finalizar intimamente nos olhos da personagem de Vera Farmiga.

Todavia, trilha sonora expositiva infelizmente é um dos problemas deste longa ao insistentemente tentar invocar o sentimentalismo ou reforçar o medo, mas que que acaba incomodando pela falta de sutileza. Por vezes a direção exagera na mão ao incluir um ruído mais alto em vez de apostar no clima antecipadamente criado.  Ou como, por exemplo, no início do longa a introduzir o clássico London Calling do The Clash, para salientar ao público que o filme se passa em…Londres !

invocacao_mal_Meio-2 Crítica: Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)Também devemos lembrar que um dos problemas constantes do filme do gênero atual é o mau uso dos efeitos digitais em excesso que acabam mais atrapalhando do que ajudando dentro da narrativa. Entretanto, mesmo que por alguns momentos se torne expositivos, (como a figura do ‘Homem Torto’) é visível que a direção tenta manter o controle e nem sempre entrega durante muito tempo tal elemento físico, deixando mais para o clímax em si.

Assim dentro das escolhas da direção, o design de produção faz um bom trabalho ao reconstituir o subúrbio de Londres nos anos 70 com fidelidade com uma fotografia cinzenta e aproveitando bem os locais em que ocorrem as cenas. Neste caso chegando a ter mesmo que usar tal reconstituição como alívio cômico, como o fato dos equipamentos eletrônicos se apresentarem tão ‘práticos’ para a época, mas que hoje soam peças de museu (assim como o figurino também tem grande papel na identificação, pois não torna algo chamativo ou caricato devido à época, mas sim natural).

Mesmo com alguns deslizes, este Invocação do Mal 2 é elogiável por possuir certa preocupação com estes aspectos cinematográficos além do padrão vigente. Todavia, é bom salientarmos, que mesmo assim, o longa não consegue se tornar uma obra incomum dentro do gênero de terror. Os sustos estão lá? Sim.  Os mesmos elementos influenciados por ‘O Exorcista’? Sim.  Então é difícil, diria impossível, que não nos cause a sensação eterna de déjà vu.

Cotação 3/5

invocacao_mal_fim Crítica: Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, ainda jovem, certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top