Crítica: O Apartamento

Direção: Asghar Farhadi

Elenco: Shahab Hosseini, Taraneh Alidoosti, Babak Karimi  e Mina Sadati

Anúncios

Cotação 3/5

Depois dos excelentes Procurando Elly, A Separação e O Passado, o diretor Asghar Farhadi continua, neste O Apartamento, trazendo os dilemas e conflitos de pessoas comuns dentro da sociedade iraniana, sempre com grande poder de identificação e usando uma delicada narrativa. Sem nunca deixa de usar as próprias particularidades da cultura do país Islâmico, o que acaba sendo um ingrediente a parte.

Emad (Hosseini) e Rana (Alidoosti) formam um casal de atores, que após um problema estrutural no prédio que moram, vão aos poucos tendo suas vidas transformadas depois que a esposa sofre uma agressão no apartamento que foram morar provisoriamente e que pertencia a uma misteriosa mulher. Tanto  Hosseini quanto Alidoosti são competentes ao construir um relacionamento que vai sendo atingindo pelo medo, temor e conflitos que acabam influenciando um ao outro, tornando a convivência cada vez mais instável – tanto pessoal quanto profissional. Como por exemplo, numa determinada cena em que Rana se assusta com a porta abrindo, para em seguida, devido esta simbiose, o próprio marido se assustar quando é chamado como fosse cooptado pelo clima instaurado. Ou podemos mensurar o relacionamento até mesmo através do design de produção que transforma o segundo apartamento , apesar que espaçoso, em algo antigo e precisando de um reforma criando a metáfora para o estado do casal. A boa narrativa de Farhadi é imediatamente notada logo nos primeiros minutos do longa, com movimentos e enquadramentos dos personagens criando um interessante mosaico nas escadarias do prédio quando os moradores deixam as pressas seus lares. Assim como a direção aposta nos pequenos detalhes, como de um vidro rachando, que acaba se tornando um delicado e eficaz elemento de tensão. Tal lógica é usada outras vezes durante o longa servindo cada vez mais na imersão do espectador sempre a espreita, como podemos comprovar na sequência do interfone tocando e porta sendo deixada aberta por Rana sugerindo que algo poderá acontecer.

Quanto ao ingrediente religioso e opressor, é interessante ratificar que tal conceito é algo sempre presente no contexto do filme (e nos trabalhos de Farhadi obviamente), mas não somente para contextualizar o cenário da história, mas também como um agente catalisador das reações dos personagens . Como podemos comprovar pelo fato do casal representar A Morte do Caixeiro Viajante e a peça sofrer com a censura , quando o diretor informa que partes da obra contém elementos contrários aos códigos morais do islã. Assim como o fato de Rana se negar a expor o fato da agressão sofrida a policia, justamente por medo a associarem de algum modo ao comportamento da antiga moradora. E neste ponto a direção economiza – mas não a tornando ineficaz –  ao trazer poucas informações sobre a mulher, além de um vestido curto jogado no armário (o que infelizmente numa sociedade misógina é algo promiscuo ), e pela presença de desenhos nas paredes que denunciam uma presença infantil – o que traz no mínimo um momento de reflexão para analisarmos a persona oculta da inquilina (mesmo sendo promíscua, seria mesmo esta a intenção ou uma mulher em busca de uma vida nova?).

Se mantendo crescente em seu desenvolvimento dos conflitos, vamos acompanhando o desfecho para o casal que antes se mostrava tão ligado, mas devido a um fator externo e praticamente ocasional fazem com que suas vidas estão a ponto de mudarem para sempre. Um comportamento que parece ficar num purgatório moral quando nos aproximamos do seu clímax, quando Emad confronta a verdade com um misto de revolta e sentimento de negação. Revolta por não atender exatamente aquilo que o instintos anseiam – violência e honra – e incrédulo por ser obrigado a encarar a situação sem nenhuma reação diferente que não seja aceitar os fatos , tornando-se a única opção contra qualquer humilhação como forma de vingança.

apartamento-final Crítica: O Apartamento

printfriendly-pdf-email-button-notext Crítica: O Apartamento
The following two tabs change content below.
FB_IMG_1634308426192-120x120 Crítica: O Apartamento

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, nem tão jovem, diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma! Acredita que a empatia, democracia e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade retrógrada que estamos vivendo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *