Maxiverso
CINEMACríticasOUTROSCrítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)
doiscaras_destaque

Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)

doiscaras_cartaz Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)Dois Caras Legais (Nice Guys)

Direção: Shane Black

Elenco: Russell Crowe, Ryan Gosling, Angourie Rice , Matt Bomer, Margaret Qualley , Keith David , Yaya Da Costa , Beau Knapp ,  Gil Gerard , Daisy Tahan , Ty Simpkins , Jack Kilmer e  Kim Basinger

Dois Caras legais é eficiente ao mostrar o tradicional clichê de duplas de policiais com personalidades diferentes que se unem para investigar um crime. Recheado com um humor e gags eficazes – por momentos nonsense -, baseando sua estrutura nos longas policiais dos anos 70, o filme do diretor Shane Black é uma agradável surpresa e torna-se um produto que vai além das aparências.

O roteiro do diretor em conjunto com Anthony Bagarozzi é inteligente ao apostar nas referências setentistas e desenvolver a história com parcimônia e acrescentando os elementos e reviravoltas que em determinado momento ficam a margem do relacionamento dos protagonistas. Todavia, sem jamais deixar de ser pontuado pelo humor, vamos aos poucos sendo levados por ambas as narrativas.

Quando coincidentemente Healy (Crowe) e March (Gosling) começam a investigar uma trama de desaparecimento e morte de uma atriz de ‘filmes experimentais’, a dupla começa a adentrar na atmosfera deste cenário típico da Califórnia e seus personagens excêntricos. Personagens em sua maioria sem qualquer moralismo e movidos a dinheiro e de pretensões dúbias (incluindo ai uma Kim Basinger bem modificada pelas alterações plásticas), mas que mesmo beirando ao ridículo, não os tornam menos violentos e perigosos.

Russel Crowe é o típico investigador que usa mais força bruta que propriamente a apuro investigativo, onde sua aparência desleixada e rude é engrandecida pelo estilo noir associada ao seu personagem e ao filme propriamente. Um homem sem apego emocional que se impõe pela frustração e violência, mas que não pensa duas vezes em cobrar pelos seus serviços de ‘achacador’. Assim Rayn Gosling de certa maneira é o investigador subestimado e tido como perdedor. Viúvo, não consegue aprovação ate mesmo da filha, mas que possui um arco dramático maior, por sempre precisar provar para si mesmo sua capacidade.doiscaras_final Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)

Mas quem rouba as cenas realmente quando presente é a personagem de Angourie Rice, vivendo entre dois mundos distintos ela tenta reconstruir sua personalidade diante da ausência da mãe e se torna justamente a única com algum senso de moralidade. A naturalidade da jovem atriz é tanta que por momentos e principalmente pelos diálogos e situações jamais imaginamos uma atriz de 15 anos.

Contudo a química entre eles funciona (o que é fundamental para que o humor no filme funcione) mesmo com a falta de jeito de Crowe para um humor mais sutil. Contudo, a direção é criativa ao preparar o público para os momentos cômico e ainda consegue dar uma pequena crítica contextual e de humor negro a indústria pornográfica e automobilística (provavelmente as duas mais rentáveis da época).

Neste ponto o filme abre também uma irônica discussão ao expor os corpos femininos de maneira explícita sem soar algo sexista, mas exatamente como certa crítica a esta época e característica do corpo feminino ser visto como objeto mesmo envolvendo mortes e assassinatos. Claro que isso, felizmente, isso não acontece mais hoje no cinema, né?

O design de produção é competente ao recriar toda aquela atmosfera dos anos 70, com seu visual característico, inserindo o espectador naquele cenário durante toda a projeção. Principalmente durante o ponto alto do filme, onde durante uma festa, com todas as peculiaridades, por momentos parecemos estar dentro de uma espécie de Boogie Nights de Paul Thomas Anderson e obviamente Los Angeles – Cidade Proibida. Talvez o único, porém, é durante seu clímax. Ao inserir uma seqüência de ação de maneira um pouco exagerada, a seqüência destoa da narrativa proposta, onde ainda é mais prejudicada pela falta de uma boa mise en scene da direção que torna a cena incômoda com seus cortes e movimentação.

Contudo e ciente que não é uma obra original, Dois caras legais aposta justamente nas suas referências, no humor eficaz e é claro no seu elenco afiado.  A sensação de Déjà vu é inevitável, mas o resultado despretensioso é elogiável.

Cotação 4/5

doiscaras_meio Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)

 

No votes yet.
Please wait...
Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo crescido com as produções dos anos 80. Descobriu ainda jovem certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini , Antonioni , Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade retrógrada de hoje.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Dois Caras Legais (The Nice Guys)

Latest posts by Rodrigo Rodrigues (see all)

4 comments

  • Rodrigo Rodrigues
    Rodrigo M Rodrigues:

    Julia e Andy

    Obrigado pelos comentários.

    O filme em si agradou durante todo o tempo. Tanto pelo contexto, a adaptação e o humor.

    Abraços e continuem conosco.

  • ANDY:

    Como disse o escritor, o elenco está ótimo e apesar de nao ser uma historia inovadora funciona muito bem!

    • Julia:

      Sou a Julia e quis dizer que era em resposta ao ANDY

  • ANDY:

    Serio que vc gostou dessa coisa??????

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top