Maxiverso
Nação_destaque

Crítica: O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Nação_poster Crítica: O Destino de uma Nação (Darkest Hour)O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Direção: Joe Wright

Elenco: Gary Oldman, Lily James, Ronald Pickup, Kristin Scott Thomas, Ben Mendelsohn, Stephen Dillane, Richard Lumsden, Samuel West e David Schofield

Obras que abordam vultos históricos usam em sua maioria os mais comuns artifícios para atingir o espectador. Ainda mais se tratando de um personagem como Churchill que sempre foi visto no imaginário como um líder de postura conservadora e atroz ao mesmo tempo com um carisma popular pouco comum ao cargo. Contudo, este O Destino de uma Nação dirigido por Joe Wright, lembra mais um A Dama de Ferro que necessariamente, por exemplo, um A Queda – As Últimas horas de Hitler, assim também como uma espécie de “prelúdio” e “epílogo” temático de Dunkirk de Christopher Nolan e O Discurso do Rei de Tom Hooper respectivamente. Óbvio que o filme dirigido por Wright está longe da complexidade vista no espetacular filme sobre o líder nazista estrelado por Bruno Ganz e até mesmo do desastroso filme que rendeu o terceiro Oscar para Meryl Streep, mas infelizmente, ainda sim, é vítima do maniqueísmo e de uma narrativa expositiva de seus diálogos superada somente pela força de Gary Oldman como o primeiro ministro britânico.

Iniciado em maio de 1940, quando Churchill (Oldman) aceita o convite do seu partido para concorrer à vaga de primeiro ministro devido ao avanço de Hitler pela Europa Ocidental, o longa aborda este período através dos conflitos e incertezas do líder inglês durante a Segunda Guerra Mundial até a entrada definitiva da Inglaterra no conflito, uma vez que o seu antecessor – Neville Chamberlain (Pickup) – ainda acreditava na diplomacia para evitar um confronto iminente. Portanto, aqui, assim como visto em O Discurso do Rei, a proposta não é exatamente expor a guerra em si , e sim, as motivações de Churchill que moveu o país ao embate (interessante notar, inclusive, que o Rei George VI, vivido pelo ótimo Ben Mendelsohn não possui a gagueira do mesmo vivido por Colin Firth em 2011, por já se apresentar gradualmente curado digamos assim).

Entretanto, o roteiro de Anthony McCarten é tão superficial que precisa expor (com os famosos gritos de Oldman em alguns momentos, por exemplo) a emoção que não consegue ao desenvolver os personagens. Tanto que a esposa de Churchill, Clementine (Thomas), se torna um elemento subaproveitado e passando o filme divagando através de diálogos dos mais preguiçosos denunciando sua expositividade logo de cara, como “Somente quero que o respeitem”, “Forte por ser imperfeito” e “Sábio por ter dúvidas”. E isso não se resume, obviamente, somente aos tais diálogos, pois se as frases de impacto ditas pelo elenco é quase uma patologia, a direção não evita também planos e sequências inteiras permeadas por tal narrativa expositivas. Tanto que em determinado momento, ao ver os conflitos e dores de uma cidade destruída de um determinado ângulo, antecipei a mim mesmo: vai mostrar uma criança para simbolizar tal contexto, vai mostrar uma criança… E o que aconteceu? Mostrou uma criança para simbolizar o contexto. Isso sem contar com a trilha de Dario Marianelli que insistentemente entra a todo o momento dizendo ao espectador que naquela cena acontecerá algo de emocionante, principalmente nas cenas que há um discurso em voga.Nação_meio Crítica: O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Mas obviamente, o grande e inevitável atrativo é a presença de Gary Oldman. Atrás de um excelente trabalho de maquiagem que não deixa qualquer traço de artificialidade nem quando o ator usa seus gritos e olhar de cima para baixo, Oldman consegue evitar os exageros e procura sempre trabalhar de maneira delicada os trejeitos e voz trôpega do primeiro ministro, e claro, sempre deixando aquela sensação de um personagem por vezes bonachão, ranzinza e alcoólatra (ratificando, sem jamais cair no caricato). Até porque somos suficientemente capazes, mesmo com os problemas do roteiro que o sabota em alguns momentos, criar uma identificação por ele se o único a entender que a humanidade chegou a um momento crucial da sua história. Um homem por vezes indesejável (e imprevisível) aos olhos do próprio Rei, precisando a todo custo provar sua capacidade diante da preferência do seu partido e do congresso ao seu rival Halifax (Dillane) e tendo a vida de milhares de soldados em suas mãos. Todavia, ao evitar qualquer menção a “Paz”, ele sabe ser o único a assumir a impossibilidade se tolerante com a intolerância e negociar como Hitler e a ferocidade do seu exército. E se levarmos em conta que o ator praticamente se faz presente em todas as cenas, o que poderia criar certa exaustão e risco, o trabalho do ator é notável.

Ademais, a fotografia de Bruno Delbonnel é igualmente elogiável e se torna um dos mais interessantes momentos do longa. Reparem, por exemplo, nos discursos feitos no parlamento onde predomina as tonalidades frias e saturado das cores, assim como as luzes entrando pela fresta causando um impacto visual eficiente – inclusive numa cena em que Chamberlain revela sua doença, a palheta é quase uma ausência de cores de tão fria que se mostra.  Ou no momento do primeiro discurso do primeiro ministro ao povo inglês, onde a lâmpada vermelha acesa indica o início da transmissão, tal cor rapidamente toma toda a tela apenas com um close em primeiríssimo plano em Churchill simbolizando a violência dos conflitos vindouros. Inclusive a direção demonstra tais dramas, medos e a insegurança do Churchill de maneira inteligente, como podemos ver na cena que conversa com o Rei George VI em que o protagonista é focado em segundo plano e diminuindo não somente sua figura diante da tela ou pela presença do Rei, mas sim da situação que se encontra por não ter apoio para declarar guerra à Alemanha e carregando um mundo em suas costas.

Inclusive é elogiável a sequência de jogar o público direto na tumultuada sessão do parlamento para a escolha do seu representante logo no início do filme, onde a câmera se move inicialmente com uma panorâmica vista de cima, até terminar no close de um dos discursos. Tanto que a direção de artes é igualmente eficiente na construção dos ambientes em que passam ação, principalmente o bunker inglês com seus corredores apertados e claustrofóbicos – assim com é interessante notar os detalhes dentro do banheiro privativo de Churchill e o mesmo seja composto, além da privada claro, uma linha telefônica para qualquer lugar do mundo, um cinzeiro, um relógio e uma rosa.

Mas não se dando por satisfeito em sua exposição, a direção resolver “chutar o balde” durante ao clímax em que o líder encontra com transeuntes durante um passeio de metrô. Ou seja, se o roteiro tenta criar todo o arco do líder que, apesar de tudo ainda comete erros, aqui o personagem assume quase uma aura de herói. Não que ele não fosse ou não pudesse se tornar para os ingleses, mas a cena é tão caricata e antinatural (inverossímil até) na sua composição e conversas entre o líder e aquelas pessoas que sinceramente não faz sentindo ou efeito dramático nenhum, pelo contrário, é extremamente sentimentalista e infeliz. E isso não sendo o suficiente, o clímax em si é uma espécie de amontoado de clichês e fazendo jus a boa parte da narrativa, uma vez que tal sequência é a mesma vista em inúmeros filmes de tribunal onde a direção usa um personagem (no caso a datilógrafa vivida pela atriz Lily James) como elo diante do público torcendo pelo desfecho e sem evitar a expressão como dissesse “Yes, conseguimos!”.

Importante como estudo de uma figura da nossa história recente, O Destino de uma Nação convence em seu elemento principal. Mas é inevitável que o filme jamais tenta sair de uma mesmice (isso se muito) que por si só não consiga se sustentar como aquilo que pretendia ser.

Nota 3/5

Nação_Final Crítica: O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: O Destino de uma Nação (Darkest Hour)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, ainda jovem, certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top