Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)

7_cartaz-1 Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)

Direção: Antoine Fuqua

Anúncios

Elenco: Denzel Washington, Chris Pratt , Ethan Hawke , Vincent D’Onofrio, Byung-Hun Lee, Haley Bennett, Matt Bomer, Martin Sensmeier, Manuel Garcia-Rulfo e Peter Sarsgaard

Mesmo se tornando uma obra escapista (com seus erros e acertos), ainda mais se tratando de um remake de um filme que já era uma cópia, este novo Sete Homens e um Destino consegue certa proeza ao incrementar elementos estabelecidos, perspectivas e contextos, sem ofender o conceito original estabelecido pelo filme homônimo de 1960 vindo, claro, do clássico maior Os Setes Samurais de 1954.

E por ser tratar de uma nova versão é inevitável que as comparações com o filme de 1960 sejam feitas, principalmente levando em consideração o envolvimento de astros do passado e presente. Se antes tínhamos um elenco com Yul Brynner, Steve McQueen, Charles Bronson, James Coburn, Robert Vaughn e Brad Dexter, agora, portanto, é muito bem vinda a diversificação étnica (negro, oriental, indígena, latino…), mesmo que fosse impossível dar um tratamento igual, mas se garantindo nos rostos conhecidos a tarefa é mais fácil e suas participações não são descartáveis.

Assim também é válido o conceito feminino de liderança e força. A personagem vivida por Haley Bennett é construída pela dor da perda e necessidade de liderar a ajuda aos pistoleiros contra os invasores sem que seja feita para auxiliar crianças e idosos em fuga, pelo contrário, ao ratificar sua importância, ela se consolida como uma das personagens principais. Contando com uma boa abertura conhecemos o vilão do filme e todas as premissas que estabelecerão ações seguintes: Bart Bogue (Sarsgaard), visando o lucro da mina de uma pequena cidade no oeste americano, invade a cidade e determina que os moradores aceitem sua proposta para venderem suas terras.

Imediatamente vemos aqui a primeira mudança com relação ao original por inserir a questão do capitalismo e a modernidade como desculpas para a invasão e tomadas de cidades alheias. Assim o ator Peter Sarsgaard transforma seu vilão em algo bem distinto do que foi feito por Eli Wallach em 1960, agora em vez de um pistoleiro pura e simplesmente, temos um homem de negócios que não toma a frente de um duelo (claro que isso não é motivo para sacar uma arma e matar covardemente).

7_meio Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)

O roteiro de Nic Pizzolatto e Richard Wenk insere mais o conceito de vingança que propriamente a questão da recompensa e fama, principalmente por personificar isso na figura de Denzel Washington que possui uma relação mais pessoal com a história (o que não deixa de ser óbvio por repetir a parceria com o diretor).

O diretor Antoine Fuqua é competente nas sequencias de ação ao estabelecer de maneira coerente a frente de duelos que acontecem simultaneamente entre vários personagens sem que o público fique perdido ou confuso, uma característica bem vinda do diretor de Dia de Treinamento e o irregular O Protetor (ambos protagonizados por Denzel Washington). Assim a história obviamente se aproveita praticamente de toda a estrutura do original incluindo cenas idênticas do filme de 1960, como a apresentação do personagem Billy (Lee) ser bem parecida com a protagonizada por James Coburn.

Ajudado pela fotografia de Mauro Fiore que estabelece de maneira simples a personalidade dúbia dos pistoleiros, a direção de Fuqua também faz certa homenagem o próprio gênero, como visto na chegada dos pistoleiros na cidade em que ocorrerá o conflito. Devido a isso temos em momentos os personagens sempre envoltos em sombras e com suas faces divididas pela iluminação e com a câmera a meia altura focando suas botas, como visto na cena em que o personagem de Denzel Washington, sempre vestido de preto como um anjo da morte, surge num bar observado por Chris Pratt, também envolto nas sombras (infelizmente em momentos parecia que a direção pecava por não explorar mais os ambientes e paisagens onde era perceptível a existência do chroma key dos efeitos).

Com relação aos personagens e seus conflitos, todo o chamariz é feito por Denzel Washington, e Chris Pratt assume o papel feito por McQueen. Mas, sabendo mexer nas premissas estabelecidas, o longa consegue ainda criar a empatia pelos seus personagens independente de sabermos de antemão o que irá acontecer. Portanto é fundamental que este receio pela integridade deles seja estabelecido pela dinâmica dos atores como Ethan Hawke, seu amigo oriental vivido por Byung-Hun Lee e Vincent D’Onofrio, mais uma vez se com um personagem de personalidade antagônica ao seu tamanho (mesmo que por momentos o ator não acerte o tom e seja vitima de frases religiosas como um conceito de redenção pelo passado violento, o ator ainda sim consegue criar certa empatia).

Enfim, seria injusto talvez acusar este Sete homens e um Destino de alguma incongruência se baseando num gênero que foi imortalizado por diretores com a capacidade de John Ford e Sergio Leone (e até mesmo o diretor do original, John Sturges) e é claro de Akira Kurosawa. Mesmo assim, o longa consegue criar e envolver o espectador com sua história, narrativa e personagens identificáveis, mas não podemos esquecer jamais que não era a intenção ir muito longe dentro de um contexto cinematográfico de entretenimento.

Cotação 3/5

7_final Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)

printfriendly-pdf-email-button-notext Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)
The following two tabs change content below.
FB_IMG_1634308426192 Crítica: Sete Homens e um Destino (The Magnificent Seven)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, nem tão jovem, diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma! Acredita que a empatia, democracia e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade retrógrada que estamos vivendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *