Maxiverso

Crítica: Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

DireçãoLynne Ramsay

Roteiro: Lynne Ramsay

Elenco: Joaquim Phoenix, Ekaterina Samsonov, Judith Roberts, Alex Manette, Dante Pereira-Olson, Frank Pando e John Doman

Nota 4/5

Você Nunca Esteve Realmente Aqui poderia facilmente – inconscientemente ou não – entregar parte de sua narrativa a um thriller de ação ou suspense que, mesmo trazendo temas como abusos de menores, ainda assim correria o risco de subjugar vários aspectos pessoais da história. Todavia, a diretora Lynne Ramsay, assim como feito no inesquecível Precisamos Falar sobre Kevin, jamais cede a qualquer narrativa que não seja para exaltar o estudo de seus personagens, seus traumas, lembranças e violência a que estão submetidos de maneira incômoda (inclusive, ao apresentar suas inspirações em Taxi Driver, por exemplo, a direção de Ramsay demonstra total controle sobre tais elementos ao usá-los a seu favor e criar suas rimas temáticas).

Iniciando com planos fechados, simbolizando um sufoco de Joe preso em um mundo particular, a obra já começa de maneira eficaz ao montar sua história: o protagonista é um ex-militar e agora um assassino de aluguel de poucas palavras, morando com a mãe com saúde debilitada pelo Alzheimer (com quem tem uma relação de extremo carinho, mas desgastante), sobre o qual aos poucos vamos conhecendo e construindo um cenário sobre seu passado, família e danos emocionais que o transformaram no que ele é hoje. E é neste momento que o roteiro da própria diretora, baseado na novela de Jonathan Ames, demonstra suas qualidades de maneira econômica sem jamais deixar de ser completo, pois se inicialmente não sabemos exatamente o que Joe faz ou suas motivações, são através de pequenos detalhes que vamos montando tal cenário psicológico. Tanto que o longa é envolvente ao submeter seu protagonista em uma espécie de jogo conspiratório sem que jamais tome proporções que não sejam pessoais, e tenha poucos envolvidos, o que ajuda na identificação com os acontecimentos (seria muito fácil cair na armadilha de uma trama que envolvesse políticos onde houvesse uma recompensa final, uma denúncia etc…).

voce_poster-1 Crítica: Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)Assim, Joaquim Phoenix é absoluto em sua personificação de um personagem que jamais duvidamos de sua brutalidade através de uma aura de discrição; cuja aparência desgrenhada, suja e emanando dor interna (e externa), entrega uma composição memorável e forte o suficiente. Um homem perigoso, brutal, solitário e transitando entre este estado animalesco e um aparente autocontrole, situação vista em detalhes, como o fato de suas memórias – ao manusear uma doce – remetem a lembranças que ele evita fazer.

Tanto que, inteligentemente, a direção engrandece sua essência sem exatamente apelar para grandes embates físicos, pois se testemunhamos um corpo de um inimigo caído, tal contexto é mais que suficiente para acreditarmos em sua capacidade. Fora que a direção consegue trabalhar a dinâmica entre Joe e Nina (Samsonov) de maneira intrínseca, onde suas tragédias e abusos são ingredientes que os unem dentro de uma jornada física e psicológica (trazendo obviamente a mecânica comportamental de Travis e Iris de Taxi Driver, como dito anteriormente).

E se a complexidade de Joe já tinha elementos suficientes para torná-lo célebre, a direção usa de rimas visuais de maneira elogiável que fecham de maneira simbólica os arcos (violentos), como fato de Joe calorosamente retirar os óculos de sua mãe que estava a dormir, para que tal cena tome um contorno completamente diferente quando ele repete a ação posteriormente , onde tal momento serve como estopim para outra sequência cheia de simbolismo ocorrido em um rio. Assim como é psicologicamente aterrorizante que Joe, por seu método permeado de brutalidade por vezes ser visto no uso de um martelo, tal ferramenta é mais que um “objeto de trabalho”, mas um expurgo e auto-punitivo elemento de seu passado de violência patriarcal. Ademais, a trilha de Johnny Greenwood dá o tom perturbador ao protagonista e seu mundo com acordes dissonantes e desconfortantes pontuando de maneira que remeta até mesmo a uma obra de terror; o que não é por acaso que tal elemento se faz presente durante o final do longa.

Enfim, entendendo que, para aqueles sobreviventes (um termo mais do que apropriado), Você Nunca Esteve Realmente Aqui  é complexo em trazer indivíduos que carregarão fardos que talvez nunca superem (principalmente no caso de Joe).

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, ainda jovem, certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Você Nunca Esteve Realmente Aqui (You Were Never Really Here)

Latest posts by Rodrigo Rodrigues (see all)

5 comments

  • Libera Mesa:

    nao gostei do filme o protagonista é um cara 100% antipatico como vc compra uma historia com um protagonista que vc odeia?

  • Raul Stef:

    Filme vai flopar… nao emenda sequencias alucinadas de ação, lutas e tiroteio, não entrega tudo mastigadinho pro espectador, é “cabeça”… galera analfabeto funcional de cinema vai reclamar geral: “filme chato”, “muito parado”, “enfadonho”, “nao entendi”…

  • Planta:

    Filme bom, mexe com a gente. Ja temos um pseudo vencedor ao Oscar de melhor ator hehehe

  • Josiane:

    olha so que legal qd eu soube desse filme nao tinha a menor intencao de assistir ele mas ao ler essa critica passei a querer ver, parabens sr Rodrigo pela excelente explanacao sobre o filme, e convenhamos que atorzaço é o Joaquim Phoenix ne

    • Rodrigo Rodrigues
      Rodrigo Rodrigues:

      Josiane
      Bem vinda
      Obrigado por despertar o interesse em ver o filme. Acho isso um elogio como crítico !
      E realmente Joaquim Phoenix é excelente
      Abraços

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top