Crítica: Jurassic World – Dominion

Direção: Colin Trevorrow

Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Laura Dern, Sam Neill, Jeff Goldblum, DeWanda Wise, Mamoudou Athie, Isabella Sermon e BD Wong 

Anúncios

Chegando ao sexto capítulo da série (ou o terceiro da nova trilogia, iniciada com Jurassic World e continuada com Reino Ameaçado) se há algo que não se pode reclamar é a falta de coerência com suas origens e história. Até porque a questão da manipulação genética está no cerne da franquia desde o primeiro episódio. Se em Jurassic World vimos o parque pela primeira vez em funcionamento pleno, Jurassic World – Reino Ameaçado foi usado como um passo adiante na trama, expandido os conceitos já apresentados (o que me leva seriamente, depois de seis filmes, a ler a novela de Michael Crichton por curiosidade em saber até onde isso levaria).

Além do mais, os capítulos anteriores conseguiram ao mesmo tempo criar um tom crítico ao sistema de exploração da natureza quanto um exercício de gênero, principalmente em Reino Ameaçado, ao transpor sua ação dentro de um contexto de terror clássico.

Assim, Jurassic World – Dominação, do diretor Colin Trevorrow, mantém essa lógica temática ao mesmo tempo em que reverencia os personagens principais da antiga trilogia, trazendo-os pela primeira vez juntos desde o primeiro filme de 1993 (Jeff Goldblum participou de Jurassic Park – Mundo Perdido e fez uma ponta no anterior, ao ponto que Sam Neil e Laura Dern – ela também numa ponta – participaram de Jurassic Park 3).

Dito isso, portanto, é uma pena que o roteiro de Derek Connoloy e do próprio Trevorrow tente abraçar desesperadamente os conceitos abordados no filme anterior (envolvendo Maisie Lockwood), a questão ambiental, a empresa Biosyn, ao mesmo tempo em que precisa lidar com uma série de personagens majorada pelos que foram acrescentados. E ainda nem falamos dos dinossauros em si! Até porque durante quase todo o primeiro ato, parece que os bichos pré-históricos ficam relegados ao segundo plano enquanto o filme apostas em perseguições nos telhados de “países exóticos” como um tradicional filme de espionagem (exercício de gênero).

Ademais, chega ser decepcionante que uma discussão relevante sobre o mundo sempre está a “três pratos de comida da anarquia” devido à ganância de meia dúzia vire apenas uma piada sobre barra de doce…

Iniciado num planeta em que a presença dos dinossauros não é mais algo estranho, vemos então as consequências que as criaturas podem causar ao “mundo real”, coisa até então não abordada nos outros filmes. Além do desequilíbrio na cadeia alimentar em todo o planeta, a presença das criaturas acaba criando outros problemas como comércio ilegal, reprodução não autorizada da espécie e disputas ideológicas. Além do mais, os tais gafanhotos geneticamente modificados ameaçam as plantações mundiais (menos aquelas pertencentes à Biosyn, liderados por Lewis Dodgson – Scott, uma fusão de todos esses CEO que boa parte do mundo devota ridiculamente).

Enquanto isso, o Cowboy (no caso, Dino) Owen (Pratt) e a agora ativista Claire (Dallas Howard) vivem em família com a jovem Maisie (Sermon), tendo sempre à espreita a velociraptor Blue e sua cria. Mas após o sumiço dos pequenos, eles partem para o exótico norte da África em busca de respostas, ao mesmo tempo em que Ellie (Dern, carismática como sempre) tenta convencer Grant (Neil, não muito a fim de estar ali) a investigar os gafanhotos. Nem que seja a contragosto, por solicitar a ajuda a Ian Malcolm (Goldblum sendo Goldblum já está bom).

Trazendo um problema para o montador do filme por atravessar vários lugares distintos em um curto espaço de tempo (Nevada, Texas, Alasca e África), o excesso de personagens acaba criando coincidências ou reviravoltas pouco convincentes, como o fato de Claire mostrar uma foto dentro de uma multidão para a única pessoa que poderia ajudar. Aliás, uma dessas novas personagens, Kayla (uma segura e ótima DeWanda Wise), parece uma mistura de Han Solo com Lara Croft, mas que cuja função, além de inchar o elenco, é servir como suporte aéreo da turma.

Confundindo correria com ação/tensão, o diretor Colin Trevorrow parece ter vários brinquedos caros nas mãos, mas não se contenta em mostrar apenas um para o público. Com uma profusão de dinossauros a partir da segunda metade do filme, o diretor atira para todos os lados, e se não decepciona, também não consegue montar uma grande cena inovadora ou realmente tensa. Não sendo coincidência que o roteiro tente logo amarrar as tramas quando as gerações de protagonistas se encontram, assim o encontro de Grant, Ellie e Ian com Owen e Claire tem uma série de referências ao filme original numa dinâmica entre eles que, pelo menos, atende a expectativa dos grupos interagindo uns com os outros.

Repito: não são cenas ruins (como aquela em que Claire fica submersa ou até mesmo o embate final das criaturas gigantes), mas estão muito além do que já vimos, inclusive com o próprio diretor no filme anterior, como vista na cena se passando na mansão. Nada que se aproxime da tensão dos velociraptors do primeiro filme, a cena do ônibus do segundo ou tantas outras. Outro exemplo do “copia e cola” exagerado? A cena do gelo com Kayle e Owen. Claramente inspirada na cena da janela se quebrando com Julianne Moore no segundo filme ou numa cena da Ellie e Kayla juntas no enquadramento em que vimos o T-Rex pela janela do veiculo do primeiro filme.

E a maior dessas referências ocorre no momento em que estão todos no mesmo plano perto de um jipe, contra-luz ao fundo (remetendo a uma das assinaturas estéticas de Spielberg). E temos algumas rimas visuais acabam sendo interessantes, como  Ian repetindo o mesmo gesto de atrair um dinossauro com uma luz; aliás, uma outra dessas rimas quase passa batido, mas achei engraçada. Num determinado momento, Ian fecha rapidamente a gola da camisa, criando uma contradição ao  filme original em que personagem ficava sem camisa (uma piada recorrente feita com Goldblum). E cito ainda que criaram uma simetria com o vilão (ou um dos vilões) do primeiro filme, ao trazer a mesma latinha em que foram roubados os primeiro embriões (os respectivos dinossauros que aparecem), ou seja, a obra se entrega de vez à idolatria ao original.

Finalizando ao melhor estilo “Jurassic Family” ao tentar fechar algumas pontas que ficaram soltas (humanas ou não) sem grandes revelações, Jurassic World – Dominação deixa pelo menos a mensagem de coexistência e até certo ponto otimismo das criaturas poderem viver finalmente em paz (algo já visto antes). Mas, tratando-se de CEOs e grandes corporações, não compartilho do mesmo entusiasmo…

printfriendly-pdf-email-button-notext Crítica: Jurassic World - Dominion
The following two tabs change content below.
FB_IMG_1634308426192-120x120 Crítica: Jurassic World - Dominion

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, nem tão jovem, diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma! Acredita que a empatia, democracia e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade retrógrada que estamos vivendo.

12 thoughts on “Crítica: Jurassic World – Dominion

  1. Cervos q não fogem de galinhossauros. Raptores q acompanham motos mas não alcançam a Claire a pé. Piloto de avião mercenária que muda de ideia do nada, trai os contratantes e resolve ajudar quem nem conhece. Avião cai de bico e ninguém nem se arranha. Mocinho cai na água, mas o dino que o perseguia resolve passar por ele e dar a volta. Diálogos tipo “vc realmente a ama? TB gosto de ruivas “. Dinos atacam pessoas numa praça, comendo elas, mas ninguém corre ou grita. Espaço aéreo sem Dinos? Neve torrencial a poucos km de floresta tropical. Plano estupido de uso dos gafanhotos. Plano estupido dos oldies protagonistas. Carro capota onde todos podem se encontrar. “Ninguém se move!”… E todo mundo sai correndo! Ordem de evacuação cumprida TB por dinos. Cabo de força rompido no machado sem choque. Gafanhotos caem e furam teto, mas não danificam o helicoptero. Mas teve a música tema classica né então foi bom.

  2. Sabia que ia ter gente torrando o sac* e criticando… o filme é ótimo! Fecha perfeitamente a trilogia! parem de reclamar!

  3. eu faria uma nova trilogia ambientada uns 30 anos no futuro, num cenário pós-apocaliptico, os dinos dominaram tudo, destruiram tudo… saiu do controle! filme de terror mesmo, tipo de zumbi, mas ao invés de zumbi, teria dinossauro hahaha

  4. filme legal, sem quebrar a trilogia, pois ele alinha direitinho os acontecimentos com base nos filmes 1 e 2… tem umas horas que cansa um pouco pq parece que tem tramas paralelas inuteis, mas nada que atrapalhe muito

  5. acho que fecha bem a trilogia… mas nas duas trilogias o melhor filme foi mesmo o primeiro

  6. O CEO da Biosyn, Lewis Dodgson, é o mesmo personagem que no filme Jurassic Park original tenta contratar o gordinho Dennis Nedry , a roubar as propriedades intelectuais do parque …dando pra ele a famosa latinha de espumas…não foi feito pelo mesmo ator, pois o ator original se envolveu com pedofilia posteriormente.

    1. Bem lembrado Ricardo. Não me atentei ao detalhe.
      Obrigado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.