Maxiverso

Crítica: Deadpool 2

deadpool_posters Crítica: Deadpool 2Deadpool 2

Direção: David Leitch

Elenco: Ryan Reynolds, Morena Baccarin, T. J. Miller, Leslie Uggams, Brianna Hildebrand, Stefan Kapicic, Zazie Beetz, Jack Kesy, Terry Crew e Josh Brolin

Insano, debochado, irreverente e ocasionando mortes em sequência de mafiosos, grupos inteiros de samurais e narcotraficantes, não sobrando um para contar a história! Quebra da quarta parede e ironia com as sanguinárias sequências remetendo, por exemplo, ao igualmente sanguinolento A Paixão de Cristo de Mel Gibson. Piada com a cena final de Logan, cuja disputa com Hugh Jackman faça com que o protagonista autografe o nome de Ryan Reynolds em cima de uma foto de Wolverine numa caixa de cereal e outras tantas citações ao universo pop. Assim, Deadpool 2 continua ainda mais pesado em seu repertório humorístico e metalinguístico exibido no anterior de maneira desbocada; contudo, o filme do dublê e diretor David Leitch tem em sua pavorosa direção a lembrança daquele tio que fica fazendo piadas numa festa infantil sem ter a ideia de que, na festa seguinte, ele se tornará uma persona mais irritante que propriamente engraçada ao fazer humor anárquico dentro do gênero de ação.

Depois de uma tragédia pessoal, Deadpool/Wade (Reynolds) precisa enfrentar Cable (Brolin), vindo do futuro para matar o jovem Russell (Dennison) que passa por problemas na adaptação de seus poderes mutantes e sofre perseguição do diretor de um instituto que os persegue; para isso Deadpool/Wade precisará recrutar uma equipe que também contará com a ajuda do X-Men Colossus (voz de Stefan Kapicic) para enfrentar o viajante do tempo e salvar a vida do garoto.

Um grande problema do filme é realmente o exagero entre sua forma e seu conteúdo, pois ao ficar acelerando as piadas constantemente, o mesmo acaba cansando logo no primeiro ato, isso sem falar na questão de atribuir sua narrativa ao uso da metalinguagem e referências no humor também de maneira excessiva. Contudo, se não bastasse o exagero, a direção parece não entender que tal elemento da metalinguagem, quando bem usado, serve à narrativa de maneira fluída e ajudando a contar a história sem grandes danos à mesma.

Assim, é até interessantemente irônico que Logan seja um bom exemplo (não seguido) do uso de tal elemento: se no filme com Hugh Jackman o uso de uma HQ servia como inspiração para a trama, em Deadpool 2 serve apenas para tirar o espectador de maneira repetitiva do filme e inserir elementos que não fazem parte daquele universo; como o fato de, assim como o primeiro longa, a obra dizer que o estúdio novamente não teve grana para incluir outros X-Men mais famosos nos filmes. Ratificando que entendo a intenção no filme e o uso da metalinguagem sempre é bem vinda quando bem usada, como podemos ver em várias obras de diversos gêneros (terror, comédia, drama etc..), porém, acredito ser um fardo narrativo pesado demais para a direção.

Mesmo que o humor do longa por vezes soe funcional, mas que devido ao excesso e necessidade constante de fazer referências a outras obra, acaba fazendo com que estes bons momentos se diluam num saco de piadas ocultadas nos próprios defeitos narrativos (muitos, diga-se de passagem). Se funciona, por exemplo, o fato de brincar com os créditos iniciais com perguntas do tipo ”Quem escreveu este roteiro?” e referências durante o filme como o fato de Cable ser chamado de Exterminador do Futuro e seu braço mecânico ser algo constante nos filme de super-heróis (assim como Deadpool chamar Cable de Willie Caolho, remetendo ao pirata de Goonies, filme que lançou a carreira de Brolin, ainda adolescente, em 1985), parece quase sintomático que o humor alcance exemplos grotescos ao nível dos ”melhores momentos” das obras dos irmãos Wayans como ”O Pequenino”.

Como um roteiro é composto de personagens e ações destes, é fundamental que tenhamos algum arco dramático para a identificação com os mesmos, e portanto, podemos dizer que o trabalho de Rhett Reese, Paul Wernick e do próprio Ryan Reynolds chega a níveis pedestres principalmente do protagonista em suas motivações e conflitos dramáticos. Não por Deadpool ser um personagem grosseiro, louco e obsceno que o longa possa usar isso como desculpa para furos e situações incompreensíveis com a premissa do protagonista e todos os outros personagens sem terem um mínimo de cuidado em seus desenvolvimentos e servindo apenas para serem descartamos de uma hora para outra. E enumerá-los é um exercício fácil de ser feito, como o fato de Deadpool se apresentar indestrutível no começo do longa para facilmente ser capturado durante uma sequência depois de agir de maneira inconsequente até para seus padrões, apenas para atender um convenção do roteiro (sequência esta que talvez seja a melhor do filme por procurar usar o seu humor como crítica e metáfora sobre a questão do racismo e perseguição às minorias, tão bem trabalhadas na franquia dos X-Men), ou o fato de se deixar ser atingido por um vilão infinitamente mais forte que ele apenas para gerar a cena grotesca citada anteriormente.

Se formos analisar o arco dramático de Deadpool/Wade em si, a coisa se torna ainda mais absurda por, depois da tal tragédia pessoal (que poderia ter sido evitada se o Deadpool da cena fosse o mesmo que começou o filme), tal elemento se torna quase esquecido mesmo sendo algo de extrema importância dramática para o filme. Assim, se o próprio personagem parece pouco se importar com a sua perda pela necessidade de ficar fazendo as piadas e atendendo os fãs, quem sou eu para questionar…

Mas, se o restante da narrativa apresenta algumas sequencias de ação razoáveis, não chegando ao nível de um Michael Bay (o que é sempre bom), o diretor comete o mesmo erro da maioria dos diretores de filmes do gênero: tornar a edição um elemento sem qualquer preocupação em fazer com que o público tenha um mínimo de tempo para criar algum tipo de sentimento – e consequentemente uma identificação – com os personagens; como visto num plano detalhe em que a câmera foca num objeto (no caso numa moeda) que tem grande significado pessoal e motivacional para o protagonista, mas que dura um segundo, no máximo.

E se falarmos no núcleo que faz parte da equipe para ajudar Deadpool a resgatar Russell, as coisas ficam ainda piores, fazendo a equipe disfuncional de Esquadrão Suicida parecer quase uma obra prima. Se dentro de uma boa sacada, por exemplo, com o nome do Vanisher, a participação especial de Terry Crews, Bill Skarsgård e um grande astro aparecendo apenas em um frame, as resoluções se tornam desonestas por ser um desperdício devido aos destinos dos mesmos apenas para criar gags físicas de maneira infantil. Isso sem contar com um personagem, cujo poder é de ter ”sorte”, mas que acaba matando inocentes em acidentes de trânsito. Ademais, o personagem Russell (interpretado por um chato e fraquíssimo Julian Dennison) é igualmente irritante ao ponto de torcemos para que tenha o fim que os inimigos desejam – isso sem falar em sua presença na sequência passada na prisão, que torna tudo ainda mais aborrecido. Fora que o personagem Colossus é novamente um personagem estereotipado russo com a voz pausada, intelecto limitado e frases de efeito; portanto, Josh Brolin seja o único que procura dar um pouco mais de profundidade verídica ao seu personagem devido a sua tragédia pessoal como motivação em sua ações que o faz viajar no tempo (algo simplesmente jogado sem qualquer critério ou explicação de ele ter um poder tão grande assim…).

Confundindo excesso como algo suficiente capaz para causar risos durante um discurso de Deadpool depois do clímax, e exagerando na dose de sentimentalismo e absurdos (a vontade era que tudo aquilo acabasse logo de uma vez), juro que pensei que apareceriam pessoas aplaudindo e entregando um Oscar como feito em O Máscara com Jim Carrey (o que no caso seria uma boa referência). Todavia, vendo pela reação de parte do público que assistia a obra, ressuscitei na minha mente a polêmica sobre a censura do filme que aumentou para 18 anos (depois voltou para 16), o que no fundo achei um exagero… 12 anos é a idade ideal esse filme!

Nota 2/5

Avaliação
The following two tabs change content below.
RodrigoRodrigues-144x144 Crítica: Deadpool 2

Rodrigo Rodrigues

Amante inexperiente da sétima arte, crítico por insistência, mas cinéfilo acima de tudo. Descobriu, ainda jovem, certos diretores como Sergio Leone, Billy Wilder, Fellini, Bergman, Antonioni, Scorsese e sua vida nunca mais foi a mesma. Acredita que a empatia, diálogo e o respeito ao próximo é a maior arma contra o fundamentalismo da sociedade conservadora e fundamentalista de hoje.

9 comments

  • Clingel:

    é um filme pra se divertir, sem ter que exigir dele coerencia ou realismo como em Cavaleiro das Trevas ou Logan… tem que saber assistir com a expectativa correta tb, pq nao é o filme que tem que se moldar ao que esperamos dele, e se vc assistir assim, sem expectativas incoerentes, o filme funciona, é divertido, cumpre seu papel, nao eh uma obra prima ou um filmaço, mas em momento algum ele tenta ser isso

  • Lacazete:

    Galera que torce pra editora de quadrinhos como se fosse time de futebol simplesmente nao admite que uma critica possa apontar defeitos em um filme… isso ja ocorria com a DC e agora parece que chegou à Marvel tb. Fala serio… se o filme tem problemas o critico nao pode aponta-los so pq vc gosta mais da Marvel ou da DC???

    • Rodrigo Rodrigues
      Rodrigo Rodrigues:

      Lacazete
      Bem vindo
      Realmente é uma discussão desnecessária. Infelizmente alguns fãs insistem em achar que tal debate é algo importante ao se analisar um filme.
      Abraço

  • Emiliano:

    boa critica… vou assistir amanha pq é mais barato kkk mas nao espero muita coisa nao

    • Rodrigo Rodrigues
      Rodrigo:

      Emiliano
      Bem vindo e obrigado pelo elogio!
      Espero que goste do filme e se quiser, pode retornar com sua opinião
      Abraço

    • Emiliano:

      gostei do filme!!! me diverti bastante, mas de fato tem umas coisas absurdas demais la kkk

  • Ju Peres:

    Acho que pegou um pouco pesado… aparentemente sua falta de gosto pelo personagem, ou o fato dele nao lhe despertar muita simpatia, pesou muito na avaliação. O filme é tudo isso que vc falou de proposito, é um filme que nao quer se encaixar nos modelos estabelecidos, deseja causar incômodo mesmo, assim como o proprio Deadpool (que faz tudo isso nos quadrinhos). Eu nao me senti tirada do filme ou incomodada com nenhum dos momentos de quebra da 4a parede.

    • Rodrigo Rodrigues
      Rodrigo Rodrigues:

      Ju Peres
      Bem vindo

      Obrigado pelo comentário e lembrando que sua opinião é mais que importante para ter uma dimensão do que escrevo.

      Posso ter pego pesado, acho que isso é um fato. Entretanto, concorda que não fui injusto? Até porque procuro sempre dar exemplos tirados do filme. Com o fato de ele não se encaixar em modelos estabelecidos, eu estou de pleno acordo – até apontei isso no texto. Mas existe um limite, uma linguagem e gramática cinematográfica (independente dos quadrinhos) que o filme usou de maneira, ao meu ver, ineficiente.

      Mas, o mais importante é que conseguimos criar um debate sobre a obra.

      Abraço e novamente muito obrigado por comentar.

  • Carina:

    tb gostei muito de Deadpool 2 muitas risadas e cenas muito engraçadas

leave a reply

Contate-nos

Contate-nos por email ou nos procure nas redes sociais

soleblog.brasil@gmail.com

  • Top 7 personagens icônicos de séries
  • Top 7 Filmes diferentes do convencional
  • Top 7 Maiores Compositores de Trilhas Sonoras do Cinema
  • Top 7 robôs mais importantes da ficção II
Back to Top